24 de novembro de 2008

Dias melhores virão

Creio na minha normalidade... E isso me basta por enquanto. Pra manter uma chama, um sonho de que um dia talvez possa viver num mundo melhor, onde as pessoas consigam ver o óbvio que é a singularidade de cada pessoa, onde cada um consiga, assim como eu faço, e muitas outras pessoas também, ver além da roupa rasgada de um jovem punk e não deduzir que ali tem um drogado sem futuro, que quando ao passar por um negro na rua não apertem a bolsa mais pra perto do corpo, apressando o passo com olhar desconfiado, que ao ver uma pessoa pobre não deduza um vagabundo, e sim entendam que nessa sociedade capitalista imunda, você nascendo assim, pobre e preto, dificilmente conseguirá sair dessa, e não é por má vontade não... Deve-se rever conceitos quando se admite a hipótese de que alguém vá ter um filho com o simples intuito de conseguir 15 reais a mais por mês de bolsa família...
Falando em pobre e preto...
Quando você nasce preto e pobre, há uma multidão de adjetivos pejorativos, anos de má propaganda e tradições que servem apenas para reforçar a raiva que o mundo tem de você. E você não entende o porquê... Porque pra quem é criança e preto, olha pras próprias mãos, marronzinhas e pequenas, aquilo é só pele, aquilo não te define nem te completa... É só pele..
E com o tempo o ser humano cansa.. Cansa de ser vilipendiado e descartado como lixo, como algo que está ali só pra causar prejuízo, e se qualquer jovenzinho classe média tenta se matar porque não tem o Nike do momento, assim como muitas pessoas entram em depressão por terminar um namoro... Assim como um ser humano normal o preto e pobre, tantas vezes chamado de vadio, de macaco, de vagabundo, sofre e desse sofrimento vem à revolta, e nessa revolta e ele começa a justificar todos os anos de xingamentos. Se convence que já que é esse o único papel que lhe cabe nesse circo maldito, deve representá-lo bem. E ai já viu...
Quando chega a idade adulta, já com a cabeça formada de maneira que se sente um lixo, animal, macaco, menor que qualquer outra pessoa, e não raro com comportamento violento e revoltado, simplesmente da merda... Da merda mesmo, pois não se endireita uma pessoa que passou a vida doutrinada a ser um lixo.
Eu particularmente não tenho preconceitos, apenas conceitos.
Não gosto de pessoas presunçosas, não gosto de pessoas que não tem respeito, nem de pessoas preconceituosas..
Com os anos aprendi a me proteger de racistas ocasionais, desenvolvendo um sensor pra esse tipo de gente... No olhar já vejo e evito o que posso perder meu tempo com uma pessoa assim.
Agora temos um presidente negro nos pais mais poderoso do mundo, e pela primeira vez em muito tempo eu sinto que todos os negros do mundo, mais do que nunca, se sentem com um pouco mais de esperança, de que talvez um dia cada um seja não mais preto, e sim humano.

4 comentários:

eliane disse...

A nossa sociedade não se enxerga, Stê. Se acham os tais, porque são brancos, heteros, moram no centro da cidade e frequentam o clube da moda.
Mas tudo já está mudando, e rapidinho, nos últimos tempos.
Martin Luter Kin, Mandela, Obama.
Clodovil na Câmara dos deputados, lá em Brasilia.
Lula na presidência.
São pessoas fora dos padrões normais.
Outros virão.
Preconceito é uma praga. Vocês, jovens neste início do terceiro milênio, já estão movimentando uma energia nova, leve, igualitária.
Nada mais será o mesmo, depois de vocês.
Grande beijo

Ana Gabi disse...

Putz!
Texto foda, viu?!

Mas acho que muita coisa já mudou, apesar de não ser hipócrita em afirmar que não há preconceito, como muitas pessoas por aí, né?!

Vc viu o que aconteceu com a Bombom e o Dudu Nobre?

beijocas!

Jana disse...

Nossa Stê.
Texto forte e corajoso.
Impressionante.

"É só pele...".
Sim, minha querida, é so pele.
E muitos sabem disso.
E assim como Martin, eu também tenho um sonho.
E ele está a se realizar.

Beijoca irmã!
:)

O Profeta disse...

Sou palavra perdida no silêncio
Gerada no ventre do Mar
Grinalda de perdidos sonhos
O passado do verbo amar

Amei!
Voar na chegada de cada Primavera
Pintar de luz as cores do verão
Pisei o tapete das folhas de Outono
Acendi em cada inverno uma fogueira de paixão


Convido-te ao encontro com o meu “Eu”

Bom domingo


Mágico beijo